Esse blog foi criado para divulgar o trabalho do Canto Cidadão, Organização Não Governamental (ONG), da qual a Drª Risadinha Risolina é voluntária. Nesta página você lerá textos que expressam as experiências que tenho vivido.



domingo, 24 de fevereiro de 2008

Flashes de vida

Encontramos uma senhora no corredor.
- A senhora está esperando alguém?
- Vou ver minha neta.
- Nossa, quando for avó quero ser tão bonita assim.
- E aí como ela está?
- Não está muito bem.
Mariane, um bebê de sete meses tem câncer.
- Ela vai melhorar. A senhora é muito guerreira. (segurei bem forte a mão dela).
- Não, não sou. (ela começou se emocionar)
- Claro que é. Tenha certeza disso. Tudo vai ficar bem.
Nos despedimos e esse foi o primeiro atendimento de hoje.


Entramos em um dos quartos e lá estava seu Armando, nascido em Coimbra / Portugal há mais de 80 anos. “Gosto muito do Brasil, pois é a terra que me acolheu, formei minha família. Mas sempre que posso visito Portugal.

Drª Risadinha: - Quem pode, pode, quem não pode se sacode. Bem que o senhor poderia me levar na mala.

Armando:- Pode deixar que te aviso, pois, pois.

Drª Risadinha: - Então, negócio fechado.Ebaaaaaaaaaaaa!

Depois encontramos o Laerte, eleito o jardineiro dos vizinhos porque ama cuidar das flores da rua onde mora. Mas o pessoal abusa da boa vontade. – Ele não passou o carnaval com as flores, bebeu todas rsrs. Que maldade. Vê se pode. Ele é filho de pernambucano, a mãe é alagoana, nasceu no Paraná e mora em São Paulo. Eita que mistura, esse é bem brasileiro. No meio da conversa ele vem com essa:

- Olha o mico. Vou chegar em Alagoas e dizer que andei de vestido em São Paulo. (referência à camisola que os pacientes, inclusive os homens, usam quando estão internados).

Tem nada não Laerte...essas coisas acontecem nas melhores famílias.

Todos os relatos são baseados em fatos reais, porém, os nomes dos personagens são fictícios para preservar sua identidade.

2 comentários:

Taty disse...

Que ele e todos os pacientes melhorem e encontrem forças/coragem para continuar lutando pela vida.

Tamara disse...

Oi Dra. Risadinhaaaa...
adorei te conhecer viu.
Ahhh me desculpa pelo fora...na hora q me perguntou o meu nome nem me toquei..rsrsrs!!

Contribuindo para salvar vidas, infelizmente eu quase perdi a minha, rsrs, mas o importante de tudo isso foi q apesar dos pezares, fiquei muito feliz de ter contribuido com o meu sangue. Sempre que precisar de alguma coisa é só avisar viu.

Adoro ler suas histórias. Até a da enchente foi muito boa...falei pra Taty, nossa só a Havolene mesmo hein, o jeito como você escreve ao mesmo jeito q nos emociona ele tbém nos diverte.

Agora só falta a Taty escrever a história da doação...rsrs...mas ela falou q primeiro precisa deixar passar uns dias. Vai entender, kkkkkkkkkk!!!

Beijos!!