Esse blog foi criado para divulgar o trabalho do Canto Cidadão, Organização Não Governamental (ONG), da qual a Drª Risadinha Risolina é voluntária. Nesta página você lerá textos que expressam as experiências que tenho vivido.



terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

A aventura de uma doação de sangue

O texto ficou um pouco longo, mas preciso confidenciar a vocês um episódio que duas queridas amigas vivenciaram no último sábado. Então vamos lá. Uma amiga da doutora Risadinha precisava de uma doação de sangue urgente, pois vai ser operada esta semana. Logo, essas amadas que citei há pouco se prontificaram a se doar. O detalhe é que elas nunca tinham passado pela experiência e muito menos conheciam a amiga da doutora que vos fala. Mesmo assim não pensaram duas vezes e aceitaram o desafio.
O surpreendente é que uma delas morre de medo de agulha e a outra adora todas essas coisas relacionadas a hospital. Essa última quando era pequena preferia tomar uma injeção a engolir comprimidos ou tomar aquelas gotinhas. Achava que o efeito era mais contundente. Ela cresceu sem medo das agulhinhas, bem elas que deixam uma galerinha enorme afastada da doação de sangue.
Assim, no sábado, às 9h da manhã, estavam na sala de doação, junto com as outras pessoas que estavam ali também para realizar esse gesto de amor. Uns doariam seu sangue para parentes, amigos, conhecidos, outros tantos para desconhecidos, ou melhor, por Amor ao Próximo, voluntariamente. Afinal, é preciso dar de si, antes de pensar em si.
Então, marcamos um encontro, pois apesar da amizade virtual que elas tem com a doutora Risadinha, não nos conhecíamos pessoalmente.
Fui à sala do banco de sangue e, finalmente, abracei minhas queridas. Ah, deixa eu apresenta-las a vocês, chamam-se: Tamara e Tatiana.
Depois de uma conversa, algumas risadas, me despedi e fui ao encontro de outros amigos, nas clínicas, oncologia e corredores do hospital.
A surpresa foi saber depois que as duas passaram mal, o que é bem normal, especialmente para quem não está acostumado. Porém, a Tamara desmaiou e quase atropela o ônibus. Como assim? O busão parado e a ‘mina’ caiu e rachou a ‘cuca’ e foi parar no hospital. Até o SAMU entrou na parada. Ufa!!! Fiquem tranqüilos. Depois fiquei sabendo que só ficou um galo. Mas o susto que eu e a amiga/ irmã dela passamos não foi fácil. Isso é que eu chamo de dar o SANGUE por uma causa (rs). Por favor, não desistam da doação, pois essas coisas acontecem até com as melhores amigas.

Porém, crianças, por favor, sigam alguns conselhos da doutora Risadinha:

- Se alimentem muito bem, antes, durante e depois de cada doação. Não é preciso estar de jejum, no entanto,evite comidas gordurosas.
- De preferência vá sempre acompanhado de um amigo ao local que irá fazer a doação, pois nessas horas é fundamental ter um conhecido a postos.
- Após a doação, cuidado para não atropelar nenhum ônibus. Isso é prejudicial à saúde.
- E siga os passos de minha amiga, que apesar do incidente e aventura ainda pretende doar, além de sangue, plaquetas e medula.

Só tenho uma coisa a dizer: - Muito obrigada por tanta demonstração de carinho e desprendimento. Parabéns mesmo. Por isso, aconselho essas minhas duas comadres a viver muito ainda, pois há muitas pessoas esperando por alguém que doe SANGUE para que se jorre VIDA em todos os corações. Minha amiga com certeza será eternamente grata pelo lindo gesto de vocês e quando souber dessa aventura toda mais ainda, pois alguém que aparentemente não tinha nada a ver com sua vida quase deu a própria vida por ela. "Ninguém é maior do que aquele que dá a vida por seu amigo".

E você, já doou sangue hoje? Ah, se não puder não se entristeça...há muitas outras maneiras de dar VIDA a alguém. Pense bem.

8 comentários:

Taty disse...

Nossa doutora Risadinha, nunca imaginei que um dia minha história entraria nesse blog.
Bom, não precisa dizer que como boa menina sentimental que sou, fiquei emocionada com o post. Me lembrei de cada momento desse fatidico dia. Do medo, da dor, da emoção, do susto, da angústia, do alívio...e até do meu bracinho roxo....rsrs

Como se diz, a gente sempre tira uma lição de tudo nesse vida...eu tirei várias desse episódio...que vale a pena se doar pelo próximo, que eu amo minha família, que tenho que demonstrar meu amor as pessoas, pq de uma hora para outra eu posso perde-las...etc...poderia ficar aqui dias e dias listando tudo o que aprendi.

Mas prefiro agradecer..agradecer à doutora Risadinha por mais uma vez me mostrar que a vida só vale a pena se for para viver, amar e se doar ao próximo.


Beijos!

Thá Gonçalves disse...

Adorei a história, rs, mas sinto pelo acidente...
Sou doadora da Pró Sangue há um bom tempo e sei a importância desse nosso sangue. Espero que cada vez mais as pessoas parem pra pensar no bem que podem fazer aos outros e a elas com esse ato tão simples.
Bjos Dra. e parabéns pelo trabalho!

Carlinha disse...

fiquei muito feliz pela colaboração dessas suas amigas Dra. Risadinha !!!
Gostaria de compartilhar que tb passei mal da primeira vez...foi muito engraçado!!!
Fui com meu noivo o Thiago fazer minha primeira doação não era pra ninguém em especial, fui no intuito de fazer essa experiência. Estava tranqüila pois o Thi estava comigo e já havia doado várias vezes, mas percebi que apesar de não ser a primeira vez ele estava muito "nervoso" com um "POUCO" de medo...rs. Inconformado com a minha tranqüilidade ficou tentando me assustar, percebi e o "zuei" muito. Perguntei: - ô amor qué q seguro sua mãozinha qué? ta com medinho? rs
Entrei primeiro que ele e saí rapinho (claro que não quis ver a agulha, né?! só pra garantir minha tranqüilidade!), fiquei o esperando pra tomar o lanche, mas aí pensei...bom, não sei se ele vai demorar muito então vou comer.
Pedi o suco para a moça que estava servindo, e ela me perguntou se estava tudo bem, respondi que estava sim, foi então que minhas vistas escureceram e senti alguém me arrastando para uma salinha...meninas minha pressão caiu fiquei duas horas de repouso e nada da minha pressão voltar ao normal, até que uma médica me examinou e disse que eu teria que tomar soro, acabei saindo de lá com os dois braços furados...
Sabem o que aprendi com essa história?
Que realmente quem ri por último RI melhor...rsrs
Mas valeu a pena apesar de tudo me senti muito bem com esse gesto.

Bjs.

dr.polenticão disse...

AÍ DOUTORA, TÁ PROVANDO QUE NADA É TÃO BOM QUE NÃO POSSA SER MELHORADO.

VALEU, CONTINUA ASSIM QUE TÁ ÓTIMO.

UM FORTE E CARINHOSO ABRAÇÃO PROS MÃNOS DOUTORES.

Tamara disse...

Aiii Draª Risadinha...como ficou legal a minha história.
Olha apesar dos pezares, fiquei muito feliz em poder contribuir com o meu sangue. E como você já disse no texto, não vou desistir de doar por nada, precisamos sempre ajudar o próximo. Temos que sempre fazer o bem, sem olhar a quem. Foi assim que eu aprendi e é assim que eu vou continuar levando a minha vida. Sempre fazendo tudo de coração, pois tudo que a gente faz de coração, a gente recebe em dobro de Deus.
Sei que quase matei a minha irmazinha querida do coração. Mas graças a Deus tudo não passou de um grande susto. E eu estou aqui firme e forte, esperando passar os 90 dias, para eu poder doar de novo...rsrs.

Beijos!!

cleide disse...

muito legal a atitude dessas duas irmãs dra. Risadinha apesar do susto que passamos ao saber q tudo isso tinha se passado com as duas(pois sou tia das duas)....mas o mais importante é saber q elas estão bem.. e vão continuar doando vidas eu sou portadora de sangue o negativo e da proxima vez a tia aqui vai junto na aventura!!! de ajudar o proximo sem troca, sem
exigência... adorei a atitude delas e estou seguindo o mesmo passo , parabéns pelo seu trabalho e adorei encontrar a aventura de minhas duas amadas sobrinhas em seu blog...

cleide disse...

muito legal a atitude dessas duas irmãs dra. Risadinha apesar do susto que passamos ao saber q tudo isso tinha se passado com as duas(pois sou tia das duas)....mas o mais importante é saber q elas estão bem.. e vão continuar doando vidas eu sou portadora de sangue o negativo e da proxima vez a tia aqui vai junto na aventura!!! de ajudar o proximo sem troca, sem
exigência... adorei a atitude delas e estou seguindo o mesmo passo , parabéns pelo seu trabalho e adorei encontrar a aventura de minhas duas amadas sobrinhas em seu blog...

Cleide disse...

Dra.Risadinha adorei seu contato, então estava ontem comentando com meu pai sobre a Taty e a Tamara meu pai foi doador até onde foi possivel ,só não é mais pois tem 76 anos e agora não pode mais pois já passou da idade e então disse a meu pai (avô da Taty )então preciso continuar essa corrente não pode parar!!!!!!! eu e meu esposo vamos juntos isso é
um jesto lindo e essa corrente não pode parar nunca..... e vou passar isso para minhas duas filhas!!!!!Espero que a irmã do seu amigo fique boa logo e espero que eu possa ajudá-la também....com meu sangue...
tudo de bom Dra. Risadinha!!!!
sucesso!!!!!
boa sorte nessa sua jornada!!!!!!
mil beijos!!!!
fique com Deus!!!!!!